27 de jan de 2012

Colombo pressiona a União para assegurar vinda da BMW para Santa Catarina

Governador diz que decisão de onde será a montadora depende do que está sendo discutido no governo federal.


— Fizemos a nossa parte. Agora está nas mãos do governo federal.

O governador Raimundo Colombo tem usado com frequência a palavra sigilo em tudo o que se refere às negociações do governo do Estado com a BMW. Na quinta-feira, após passar o dia em reuniões em Brasília, Colombo esteve em Joinville para o jantar de posse da nova diretoria da Ajorpeme.

Ele voltou a dizer que as conversas com a companhia alemã continuam, mas que a decisão de onde será a montadora depende do que está sendo discutido no governo federal.

Na tarde de quinta-feira, o governador e sua equipe procuraram o ministro da Fazenda,Guido Mantega, para buscar uma solução para os pedidos da BMW. Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Paulo Bornhausen, é preciso que o governo federal ofereça um regime tributário diferenciado para que a montadora se instale no Brasil – referindo-se à questão do IPI dos importados.

— Corremos um sério risco de perder grandes investimentos. Em Brasília, acham que têm um programa de incentivos fabuloso, mas que na verdade é péssimo—, disse o secretário.

Bornhausen garante que a empresa mantém contato diariamente com os ministérios para que seja encontrada uma solução.

— O importante é afinar o discurso, unirmos forças com o governo federal. O governo de Santa Catarina forneceu todos os estudos, fez todas as propostas financeiras necessárias. A gente deseja que esse resultado seja positivo, mas não é algo que depende só da nossa vontade, afirma Colombo.

Além de Araquari, representantes da BMW estão estudando áreas do município de Tatuí, a cerca de 150 km de São Paulo.

Otimista, o governador estipula que haverá uma resposta da montadora até o Carnaval, enquanto Bornhausen não descarta que o anúncio aconteça antes da viagem da presidente Dilma Rousseff à Alemanha, agendada para o começo de março.

Sobre as afirmações da revista alemã “Automobilwoche”, de que o Estado seria o lugar escolhido pela companhia, o secretário conclui, com humor:

— É um boato, mas foi simpático.

Cobranças dos empresários

Nas falas do ex-presidente da entidade, Diogo Otero, e de seu sucessor, Gean Dombroski Corrêa, no jantar de posse da nova diretoria da Ajorpeme, na quinta-feira à noite, ficaram expostas críticas ao Badesc, às dificuldades na concessão de crédito aos pequenos empresários, à necessidade de criação de um Fórum da Micro e Pequena Empresa no Estado e em Joinville e à pressão para que o governo reveja pontos do Simples.

— Tivemos avanços, como o programa Juro Zero criado e as iniciativas de desburocratização feitas pela Prefeitura. Mas há muito o que fazer para que os micro e pequenos empresários possam crescer—, disse Gean.

Em relação ao parque empresarial da Ajorpeme, Otero pediu que fosse reiterada a ajuda financeira do Estado.

Fonte: diariocatarinense.clicrbs.com.br

Share:

2 comentários:

  1. Seria muito interessante para o nosso estado uma montadora da BMW, pois só o nome que esta companhia tem no mundo, atrairia ainda mais olhares de outras multinacionais.

    ResponderExcluir
  2. Concordo inteiramente com Pedro Dias...

    ResponderExcluir

.

Vídeos

Loading...

DICA EMPRESARIAL